3 dicas para novos empreendedores digitais

Ao longo dos últimos 8 anos, conversei com muitos novos empreendedores digitais que procuram meus serviços, ou mesmo um bate-papo, para ajudá-los a dar o start em suas startups.

Acima de tudo, considero esse movimento muito saudável, e há mais de duas décadas essas pessoas vêm trazendo muitas novidades positivas para o mundo e para nosso país.

Nessas conversas noto 3 erros comuns e fáceis de explicar. Corrigi-los não é tão difícil, e vai dar mais eficiência ao trabalho de começar uma empresa digital.

1. Não revelar a ideia do negócio

É compreensível a relutância em contar para um quase desconhecido a sua ideia de startup. Eu mesmo assino diversos NDA (non-disclosure agreement) todos os anos, para que o empreendedor se sinta confortável em falar sobre seus planos.

Na prática, entretanto, essa proteção é contraproducente: a ameaça de alguém roubar sua ideia é praticamente nula. Todos nós temos diversas ideias, que por nascerem de experiências próprias, quase sempre são as que nos mobilizariam de verdade a começar um negócio. E, seja qual for a ideia, ela vai demandar um esforço enorme para ser implementada, sem contar prováveis mudanças de curso ao longo do processo.

Ao não falar abertamente para um grande número de pessoas sobre sua ideia, o empreendedor perde a chance de receber feedback de quem provavelmente conhece muitas ideias semelhantes, e às vezes idênticas. Já aconteceu comigo, por exemplo, de estar em uma reunião após ter assinado o NDA, ouvir a ideia, e perguntar para a empreendedora se ela conhecia as empresas X e Y, que me pareciam ser bem semelhantes à ideia que ela apresentava. A empreendedora não conhecia, e ao entender o que faziam aquelas empresas que já existiam, acabou encerrando a reunião, entendendo que precisaria aprofundar seu benchmarking.

2. Já tenho designer, marketing, e agora só falta programador

Por diversos motivos, a relação de oferta e demanda para encontrar designers e pessoas de marketing é muito mais favorável do que para encontrar bons programadores.

Todos esses papéis têm importância fundamental numa startup, mas o número de horas necessário para se programar um MVP típico é normalmente muitas vezes maior do que as horas necessárias para se desenhar um bom produto, ou para levar ao público um esforço de divulgação. Mais tarde no ciclo de vida de uma startup, com um produto lançado e funcionando, essa relação pode mudar bastante — no início, entretanto, é assim que tipicamente funciona. É bem mais difícil para um programador entrar apenas pelo equity se ele vai precisar se dedicar integralmente ao produto durante vários meses até que ele seja lançado.

3. Vou pegar um programador melhor, que já tem emprego, mas como freelancer à noite e fins-de-semana

A não ser que sua startup tenha um produto incrivelmente simples, o que nunca é o caso, a pessoa que for programar seu produto precisa estar nas melhores condições para trabalhar. Após passar 8 horas programando em um dia, mesmo o mais extraordinário developer vai ter seu rendimento reduzido a uma fração do normal. No fim-de-semana, após 5 dias trabalhando 8 horas, a mesma coisa acontece. Em termos de incentivo, esse arranjo também não ajuda muito a startup a sair do papel, porque o alinhamento de objetivos é, na melhor das hipóteses, apenas parcial.

Como fazer melhor

Considere a possibilidade de falar sobre sua ideia de startup com o máximo de pessoas interessadas, sem se preocupar tanto com possíveis consequências negativas.

Aceite que a energia dispendida para ter bons programadores, em tempo e dinheiro, vai ser considerável. Procure bastante, busque referências, veja projetos que os programadores já lançaram, pergunte em detalhes sobre o que fizeram nos projetos.

Ao encontrar alguém bom, faça um período de teste (uma semana, por exemplo, mesmo que seja part-time). Dando certo, garanta que ela vai trabalhar nas suas melhores horas e remunere-a para isso.

Comments